CONTO DA AUSÊNCIA - CLARISSE DA COSTA - BIGUAÇÚ/SC

Quando a vida parece que vai lhe sorrir vem à ausência e lhe abraça. De repente tudo muda não como um móvel tirado do seu lugar e colocado em outro, mas como uma mudança sem retorno.
O sol se abre, a vida segue e o tempo não para. E mesmo que você não queira tem que seguir adiante, pois a vida não dá uma pausa.
E tudo começa no despertar da despedida. O choro, o adeus e a saudade, tudo vem.
Num belo dia ela se vai e no outro, você tenta segurar o choro e permanecer forte, firme feito uma rocha. Pois é fato, ninguém fica pra semente.
Foi o que aconteceu no fim de abril de 2015 com a jovem Clara. Dona Maria, sua mãe, partiu e a sua ausência lhe abraçou como se fosse uma amiga íntima sua. E no dia primeiro de maio, quando o sol clareava o seu rosto, teve que infelizmente lhe dizer adeus.
A lágrima escorria como se fosse à tinta de uma caneta sobre o papel chamado vida, ao escrevermos a nossa história. O adeus parecia-lhe o fim, o fim sem retorno, mas era o começo de uma nova vida.
Clara iria desabrochar e enfim deixar o sol lhe sorrir como numa brincadeira de criança ao desenhar no papel o sol sorrindo em torno de nuvens azuis.
 
Clara, enfrentando a ausência e a dor da saudade. - título do livro da sua nova vida.